Francisco J Marques desmente acusações na AG do FC Porto

Neste sábado, Francisco J. Marques rejeitou a sugestão de que alguém tenha intencionalmente desviado as câmaras de vigilância do Dragão Arena durante a confusão na Assembleia Geral de 13 de novembro. Ele insinuou que alguém está a espalhar informações falsas sobre o que aconteceu naquele dia.

Publicação de Francisco J Marques:

“É completamente falso que as câmaras de segurança tenham sido desviadas propositadamente. A quem interessa esta desinformação baseada em mentiras? Era importante perceber quem está a conta gotas a fornecer os media com informações falsas, ao mesmo tempo que é profundamente errado os media não procurarem o contraditório, não tendo o FC Porto sido contactado por um só jornalista por causa deste tema.
Vamos à verdade: o FC Porto cedeu horas de imagens das suas câmaras. Ao contrário do que normalmente acontece em Portugal, o FC Porto cedeu todas as imagens que possuía e fê-lo rapidamente, sem recorrer a expedientes dilatórios, o que nem era difícil. Ou inventando avarias momentâneas, para dizer que nada ficou registado. Isto sim, devia ser notícia, pois todos nós estamos fartos de ler que desgraçadamente as câmaras de segurança não registaram isto ou aquilo, em especial no paralelo 38 do hemisfério norte…
As imagens cedidas não foram só do Dragão Arena, mas também do P1, do parque de estacionamento e de todas as zonas cobertas pelas câmaras, num total de muitas horas de gravações.

É verdade que uma das câmaras do Dragão Arena não apanhou um dos focos iniciais dos desacatos, apenas porque estava a seguir outros adeptos que eram um potencial foco de problemas. Como é normal, as câmaras vão “varrendo” diferentes áreas e detêm-se onde há a suspeita de problemas, sendo impossível apanhar todos os focos de possíveis problemas.
As câmaras são operadas remotamente, no Arena há três, nessa altura uma estava apontada à porta, porque ainda estavam pessoas a entrar, as outras duas estavam a ser orientadas na direção dos desacatos. De todos os focos só um não ficou registado, sendo que está registado em várias gravações de telemóvel.
Tudo o resto foi registado e fornecido pelo FC Porto, pelo que só por má fé se pode passar a informação contrária, insinuando que o FC Porto propositadamente escondeu alguma coisa.

Também não é verdade que o FC Porto tenha recusado ajuda da polícia, como se agora as intervenções policiais dependessem da vontade de alguém. A polícia estava na parte de fora do pavilhão e se tivesse entendido que devia atuar tê-lo-ia feito e ninguém a poderia impedir.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *