Deu ‘galo’. FC Porto vacila e chega ao Clássico a nove pontos do BENFICA

O FC Porto pode ter dado, ao final da tarde deste domingo, a derradeira ‘machadada’ nas aspirações de vir a conquistar o título de campeão nacional, fruto do empate a uma bola concedido na deslocação a Barcelos, perante o Gil Vicente.

Os dragões estiveram a vencer até bem perto do apito final, fruto de um golo de Evanilson, na recarga de uma grande penalidade desperdiçada. No entanto, Thomas Luciano ‘saltou’ do banco de suplentes, aos 88 minutos, e, aos 90+4, marcou, de cabeça, o golo que valeu um precioso empate aos homens da casa.

De tudo um pouco… menos golos

A partida adivinha-se difícil para ambas as equipas, mas ninguém perspetivava que teria um arranque ‘turbulento’… para a de arbitragem, que, vítima de um problema relacionado com o sistema de comunicação, viu-se obrigada a tirar uma pausa de, sensivelmente, cinco minutos, para resolver a questão.

Com tudo em ordem para o desenrolar do jogo, eis que o Gil Vicente dispôs da primeira oportunidade, quando, aos 17 minutos, Rúben Fernandes cabeceou ao lado da baliza. Na sequência do lance, o capitão chocou com Pepe, que ficou a sangrar abundantemente da cabeça, provocando nova interrupção prolongada.

Aos 36 minutos, o defesa dos homens da casa voltou a estar em evidência… pela negativa, uma vez que, na tentativa de impedir que um cruzamento ‘venenoso’, chegasse a Evanilson, por pouco não marcou na própria baliza, tendo valido a intervenção atenta de Andrew Ventura, a manter o nulo.

À beira do apito para o final da primeira parte, mais um lance digno de registo. Stephen Eustáquio marcou, mas o lance foi prontamente invalidado pelos juiz da Associação de Futebol de Leiria, que considerou existir falta de Wendell sobre o guarda-redes adversário, pelo que o marcador não mexeu.

Um sofrimento sem fim

O FC Porto regressou dos balneários ‘ligado à ficha’, e dispôs de uma série de oportunidades. Primeiro, Stephen Eustáquio cabeceou para as mãos de Andrew Ventura. Instantes depois, o guarda-redes voltou a dizer ‘presente’, desta feita, ao ‘voar’ para desviar um remate que ‘levava fogo’, de Iván Jaime.

No entanto, à terceira, foi mesmo de vez. Mory Gbane levou a mão à bola e Fábio Veríssimo apontou de imediato para a marca de grande penalidade, de onde Evanilson atirou a contar, mas só na recarga, visto que, o guardião dos minhotos ainda conseguiu mergulhar para negar a tentativa original.

O Gil Vicente acusou o ‘toque’, e partiu de imediato para o ataque. Aos 62 minutos, esteve mesmo perto de marcar, mas o remate de Pedro Tiba saiu a centímetros do poste. Três minutos depois, Ali Alipour tinha tudo para fazer o gosto ao pé, mas um corte ‘miraculoso’ de Otávio não deixou que o fizesse.

Quando tudo apontava para um triunfo azul e branco, eis que Vítor Campelos ‘sacou um coelho da cartola’. Aos 88 minutos, lançou Thomás Luciano para o lugar de Alex Pinto. Apenas seis minutos depois, este foi ‘ao primeiro andar’ desviar, de cabeça, um cruzamento de Leonardo Buta, que selou o resultado final.

Feitas as contas, o FC Porto passa a somar 49 pontos, o que o deixa a nove pontos do líder, o Benfica (o adversário que terá pela frente, na próxima ronda), e a seis do segundo classificado, o Sporting (que, à hora desta publicação, ainda não tinha defrontado o Rio Ave). O Gil Vicente, por seu lado, é décimo classificado, com 26 pontos.

Momento do jogo: É incontornável. Quando o FC Porto se preparava para conquistar um importante triunfo antes do Clássico, eis que Thomás Luciano subiu mais alto do que todos e marcou o golo que pode ter afastado os dragões, de uma vez por todas, da luta pelo título de campeão nacional.

Onzes

Gil Vicente: Andrew Ventura; Alex Pinto, Gabriel Pereira, Rúben Fernandes, Leonardo Buta; Mory Gbane, Pedro Tiba, Martim Neto, Murilo Souza; Félix Correia e Tidjany Touré.

FC Porto: Diogo Costa; João Mário, Pepe, Otávio Ataíde, Wendell; Stephen Eustáquio, Alan Varela, Ivan Jaime; Pepê, Francisco Conceição e Evanilson.

Antevisão

O Estádio Cidade de Barcelos vai receber, ao final da tarde deste domingo, um encontro de… ‘desesperados’, que vai colocar, frente a frente, Gil Vicente e FC Porto, equipas com margem de manobra (muito) reduzido na corrida pelos respetivos objetivos.

Os dragões chegam à partida relativa à 23.ª jornada da I Liga na terceira posição, com 48 pontos, menos sete do que os líderes, Benfica (que recebe o Portimonense, à mesma hora) e Sporting (que visita o Rio Ave, e ainda tem um jogo em atraso).

Os minhotos, por seu lado, são 11.º classificados, com 25 pontos, apenas mais quatro do que o Rio Ave, a equipa que mora imediatamente abaixo da ‘linha de água’, pelo que estão obrigados a ‘pedalar’ para não complicarem as contas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *