As farpas ao ‘filho’ AVB e a defesa do FC Porto. Pinto da Costa em série

O auditório da Fundação Serralves, na cidade do Porto, encheu-se de figuras conhecidas, na tarde de sexta-feira, para a apresentação pública da série documental ‘Senhor Presidente – O Campeonato de uma vida’, que será transmitida na Amazon Prime Video.

O evento, que reuniu figuras de vários quadrantes da sociedade, serviu para mostrar um compacto de cerca de 50 minutos da mini-série de três episódios, que já se encontra disponível na referida plataforma de streaming. Nela são retratados episódios da infância de Pinto da Costa e os primeiros tempos em que o atual presidente portista entrou para o clube da cidade Invicta através da secção de hóquei. Os 42 anos que Pinto da Costa leva como presidente do FC Porto não foram esquecidos, assim como algumas das principais conquistas dos dragões, como o calcanhar de Madjer na final da Liga dos Campeões em 1987, os dois triunfos europeus seguidos com José Mourinho ou a vitória dramática que deixou Jesus ajoelhado no Dragão.

A cerimónia, na qual o Desporto ao Minuto esteve presente, contou com a presença do antigo presidente da República, Ramalho Eanes, para além do ministro da Saúde, Manuel Pizarro, João Soares, Valentim Loureiro, António Salvador, presidente do Sporting de Braga, Jorge Mendes, António Oliveira, Vítor Baía e Pedro Proença, entre outras personalidades.

O tempo ‘roubado’ à família e um cargo que lhe estava destinado

Ao longo dos quase cinquenta minutos da exibição deste compacto, é recordada a ligação já longínqua de Pinto da Costa ao clube da cidade Invicta. Na série, o presidente do FC Porto e candidato às eleições de 27 de abril recordou uma conversa que teve com a sua mãe, que o incentivou a assumir a direção dos portistas, e deixou um agradecimento particular à sua família, “por compreender que esta missão” que “rouba muito tempo” da sua presença

“Nunca esperei estar 42 anos à frente do FC Porto. A minha mãe tinha razão, era o meu destino. E só Deus sabe, e se calhar ela também, quando esse destino me levará para outra vida. Mas enquanto eu cá estiver continuarei a lutar para que o FC Porto seja o que tem sido nos últimos 42 anos. Um clube dos sócios, dos amigos, de vitórias e que pensa em honrar a nossa cidade e o nosso país. É um momento difícil, mas para mim não há momentos difíceis. Há momentos em que nos devemos entregar de alma e coração e outros em que devemos abdicar. Mas não vou abdicar, vou lutar para poder ser útil ao FC Porto, para dar alegrias aos sócios, especialmente aos mais desfavorecidos, para que possamos ter muitas e muitas vitórias”, afirmou Pinto da Costa depois de emitido o compacto.

Depois de um discurso recheado de emoção após a sessão e que mereceu aplausos de toda a plateia, Pinto da Costa falou aos jornalistas presentes no evento e mostrou-se muito sensibilizado com a presença de tantos amigos nesta cerimónia.

“É uma história de vida, em três episódios de 50 minutos. Isto começou há mais de um ano e já não me lembrava das pessoas que tinham participado. Fiquei extremamente sensibilizado com a vinda do presidente Ramalho Eanes, porque veio de propósito de Lisboa para estar aqui presente. Não contava. Os convites não foram feitos por mim. Ramalho Eanes fez questão de estar presente e adiou um compromisso. Numa pessoa como ele sensibilizou-me muito”, destacou o líder dos portistas, recordando a participação de alguns elementos da sua família na série documental, como os filhos Joana e Alexandre Pinto da Costa, ou alguns dos seus cinco netos.

“Gostei de tudo. Gostei de ver a minha neta, eu a contar-lhe aquela história. Tive pena que algumas pessoas que eu gostava que tivessem participado nisso não o fizessem porque faleceram. Como o José António Pinto de Sousa, que estava apalavrado para falar. Recordei todos aqueles como o Pôncio Monteiro, Reinaldo Teles e Armando Pimentel, que tanto me ajudaram. Tive pena não os ter visto aqui com os outros”, lamentou.

‘Farpas’ a Villas-Boas e a promessa sobre o futuro do FC Porto

André Villas-Boas, antigo treinador e também candidato às eleições do FC Porto, é um dos participantes na série. No documentário, o técnico, de 46 anos, falou sobre a relação entre ambos aquando da passagem pelo clube azul e branco, referindo que já escreveu para o atual presidente portista como nunca escreveu para o seu pai. “Como nunca escrevi ao meu pai”, disse Villas-Boas na série da Prime Video.

Questionado sobre que reparo diria a um filho como André Villas-Boas, Pinto da Costa, bem ao seu estilo, não deixou o adversário sem resposta: “Vai chamar pai a outro.” Antes disso, o presidente do FC Porto disse que a única pessoa que mudou na relação entre ambos foi o ex-treinador. “Mudou dele. Ouvi-o, não ouviu? Se alguém mudou não fui eu. A mim nada me surpreende. Só me surpreende se um dia a minha cadela me ferrar”, atirou.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *